Brincando de Pique-Bandeira com História

contando história com a brincadeira pique-bandeira

Brincadeiras com histórias” são atividades que mesclam contação de histórias interativas com as brincadeiras tradicionais e folclóricas brasileiras. Podem ser realizadas nas escolas, eventos infantis e em casa com a família. É uma novidade da Cia ArtePalco. Chame a Cia que levamos a “pique-bandeira com história” divertida até você. Confira a história no final.

O Roubo dos Sorrisos – Teatro de Fantoche

Sugestão de Roteiro de Teatro de Fantoche para contar antes do Pique Bandeira

Personagens:

Maria: uma das protagonistas, uma criança corajosa e determinada a recuperar os sorrisos perdidos.

João: outro protagonista, amigo fiel de Maria e disposto a ajudá-la na busca pelos sorrisos.

Feiticeiro Malvado: o antagonista, um personagem malvado que roubou os sorrisos das crianças.

Cachorro, gato e pombo: animais amigos das crianças que ajudam Maria e João a encontrar a flâmula.

Cena 1:

(Maria caminha pela cidade com tristeza no rosto)

Maria: João , por que estamos tão tristes?

João: É porque perdemos nossos sorrisos, Maria.

Maria: Mas precisamos fazer algo para mudar isso!

João: Vamos procurar a flâmula que o feiticeiro malvado roubou de nós!

Cena 2:

(Maria e João encontram seus amigos animais)

Cachorro: O que aconteceu com vocês? Por que estão tão tristes?

Maria: O feiticeiro malvado roubou nossos sorrisos, mas estamos determinados a recuperá-los!

Gato: Nós vamos ajudar vocês a encontrarem a flâmula!

Cena 3:

(Maria e João recebem dicas dos animais amigos)

Pombo: O feiticeiro malvado escondeu a flâmula em um prédio abandonado!

Maria: Obrigada por nos ajudarem!

Cena 4:

(Os amigos encontram um caminho bloqueado pelo feiticeiro malvado)

Feiticeiro Malvado: Hahaha! Vocês nunca vão conseguir passar!

Maria: Vamos mostrar a ele do que somos capazes!

(Após superar obstáculos)

João: Conseguimos passar! Vamos continuar a busca!

Cena 5:

(Maria e João precisam atravessar uma rua movimentada para chegar ao prédio abandonado)

Maria: João , como vamos atravessar a rua?

João: Eu tenho uma ideia! Vamos pedir ajuda para o sinal de trânsito!

Maria: Boa ideia, João ! Vamos fazer isso!

Cena 6:

(Todos os personagens se reúnem no prédio abandonado onde o feiticeiro malvado escondeu a flâmula)

Feiticeiro Malvado: Vocês nunca vão conseguir me vencer!

Maria: Não subestime a nossa força de vontade!

Cena 7:

Maria: Tive uma ideia para vencer o feiticeiro!

João: Qual é?

Maria: Vamos contar piadas! Ele deve ter roubado as risadas porque deve ser muito triste, assim se ele rir também, ele vai entender o valor da alegria.

João: Boa ideia! Quem vai começar? Par…

Maria: Ímpar!

(Todos os amigos começam a contar piadas, rindo juntos)

Feiticeiro malvado (entrando no palco): Hahaha! Parem, parem… Vocês são muito engraçados! Minha barriga está doendo de tanto rir. Desisto, vocês ganharam. Aqui está a flâmula.

(Todos os amigos comemoram)

Maria: Obrigada, feiticeiro malvado!

Feiticeiro malvado: Não me agradeça. Foi vocês que me mostraram a importância da alegria e da amizade.

(Todos os amigos se surpreendem)

Feiticeiro malvado: Sim, eu estava errado em tentar roubar a felicidade de vocês. Mas agora, graças a vocês, eu aprendi uma lição valiosa.

João: Que lição é essa?

Feiticeiro malvado: Que a alegria e a amizade são mais importantes do que qualquer tesouro ou poder.

Maria: Fico feliz em saber que você também aprendeu algo com tudo isso.

Feiticeiro malvado: Sim, e por isso, gostaria de me juntar a vocês em sua sessão de piadas.

(Todos os amigos se surpreendem novamente)

João: Você quer se juntar a nós?

Feiticeiro malvado: Sim, e juntos, podemos espalhar a alegria e a amizade por toda a cidade!

(Todos os amigos concordam e abraçam o feiticeiro malvado)

Cena final:

(Todos os personagens se juntam para cantar uma música sobre a importância da alegria na vida e da união entre amigos)

Fim da peça.

Vamos começar a brincar de Pique-bandeira?

A brincadeira do pique-bandeira é uma das mais antigas e tradicionais do Brasil. Essa atividade lúdica é praticada em várias partes do país, especialmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. É uma brincadeira que pode ser jogada por crianças e adultos, em grupos grandes ou pequenos, ao ar livre ou em espaços fechados.

Origem e História do Pique-bandeira

Não se sabe ao certo a origem da brincadeira do pique-bandeira. No entanto, é possível encontrar referências a ela em registros históricos que datam do período colonial brasileiro. É uma brincadeira popular que surgiu nas ruas e foi passada de geração em geração.

Objetivo e Regras

O objetivo do jogo é capturar a bandeira do time adversário e levá-la para o campo de sua equipe sem ser pego pelo time inimigo. Os times são compostos por pelo menos quatro jogadores cada, com uma bandeira para cada time.

Os jogadores se dividem em dois times e ficam em áreas separadas do campo. Cada equipe deve proteger sua bandeira, colocando-a em um local seguro. O campo é dividido em dois lados: um para cada equipe. A partir daí, o objetivo é atravessar o campo adversário, capturar a bandeira inimiga e trazê-la para o campo de sua equipe.

Os jogadores não podem passar por cima das linhas que dividem os campos e, quando são pegos pelo time adversário, devem esperar ser libertados por um companheiro de equipe. A brincadeira termina quando um time captura a bandeira do outro e a leva para o seu campo.

Preparação dos Participantes e do Ambiente

Para jogar pique-bandeira, é necessário um campo amplo, que pode ser um campo de futebol, um parque, uma praça ou um quintal. É importante delimitar bem as áreas de cada time, para evitar confusões e desentendimentos.

Os participantes devem estar vestidos de maneira confortável e usar tênis ou sapatos fechados para evitar lesões. É importante que os jogadores estejam em boas condições físicas e tenham uma noção básica de estratégia e trabalho em equipe.

Ensino e Aprendizado

A brincadeira do pique-bandeira pode ser utilizada como uma ferramenta pedagógica para ensinar valores importantes às crianças, como respeito às regras, cooperação e trabalho em equipe. Além disso, ela pode ajudar no desenvolvimento da coordenação motora, raciocínio lógico e estratégia.

Para tornar a brincadeira ainda mais educativa, é possível acrescentar regras que estimulem a aprendizagem, como a necessidade de contar o número de jogadores do time adversário, desenvolvendo habilidades de contagem e cálculo mental. É importante que os jogadores sejam incentivados a cooperar e a desenvolver uma estratégia em conjunto, para alcançar o objetivo da brincadeira.

Idade Recomendada do pique-bandeira

O pique-bandeira é uma brincadeira que pode ser jogada por crianças a partir dos 6 anos de idade, desde que haja supervisão de um adulto responsável. Por envolver corrida, esforço físico e movimentos bruscos, é importante que a criança já tenha desenvolvido uma boa coordenação motora e esteja apta a realizar atividades físicas mais intensas.

No entanto, é importante lembrar que cada criança é única e tem seu próprio ritmo de desenvolvimento. Por isso, é importante sempre adaptar as regras e a intensidade da brincadeira de acordo com a idade e habilidades de cada criança, evitando assim possíveis lesões ou acidentes.

Conclusão

O pique-bandeira é uma brincadeira tradicional brasileira que traz inúmeros benefícios para as crianças, ajudando no desenvolvimento físico, cognitivo e social. Além disso, é uma forma divertida de incentivar a prática de atividades físicas e o convívio em grupo.

Por isso, é importante que a brincadeira seja valorizada e incentivada, sendo ensinada às novas gerações e mantida viva em nosso folclore. Com um pouco de imaginação e criatividade, é possível adaptar as regras e criar novas versões da brincadeira, tornando-a ainda mais divertida e desafiadora para as crianças.