Disposição do Espaço

Plateia

Muito do sucesso da narrativa está em planejar e acertar as marcações e desenvolvimento da narrativa. Ter o domínio do espaço, conhecer a sua dinâmica e “mapear” a disposição do espaço cênico e de extensão dramática, podem emprestar a sessão maior fluidez a narrativa. Saber onde estão cada coisa e recurso que serão necessários antes, durante e pós-apresentação poderá livrar o narrador de algumas a enrascadas e desatenção.

Nas artes cênicas, e mais especificamente, no teatro, o controle e conhecimento de tudo o que está e será preciso para o espetáculo fica no “mapa de palco”.

Mapa de Palco

O mapa de palco é um desenho técnico do palco com a marcação gráfica onde tudo o que deverá estar lá para a apresentação deve ser assinalado. Em alguns casos, existe mapa de palco e mapa de cena, pois que em cenas diferentes haverá recursos e objetos diferentes. As principais marcações que um mapa de palco (espaço cênico) para contação de história deve conter são:

  • Localização dos objetos;
  • Entradas e saídas;
  • Frente e fundo do espaço;
  • Localização de cenários fixos e móveis
Exemplo de um mapa de palco simples para contação de história

Um ponto importante é assinalar onde será a frente e o fundo do palco. Quando não houver fundo, pontos de referência. Isso se deve porque nem sempre é o ator que fica responsável pela disposição dos objetos e recursos sobre o palco. Algumas vezes, a preparação é feita com antecedência enquanto o ator contador de histórias apenas se preocupa em seu aquecimento e concentração. Os auxiliares, contrarregras e amigos podem assumir essa tarefa por diversos motivos, tais como:

  • Falta de tempo devido o narrador chegar quase no horário da apresentação por ter outros compromissos;
  • Ter mais de um evento no mesmo espaço e se tenha um contrarregra geral.

Nesses casos, e outros que possam ocorrer, ter um mapa de palco, de luz e de som ajudarão a tranquilizar o contador de histórias e a produção.

Mapas de som e luz

Obviamente, os mapas de som e luz, que podemos encontrar com o nome de “Rider Técnico” dado ao conjunto geral dos recursos,  vão mostrar onde cada equipamento de som (microfone, pedestal, caixas, tomadas) e que recursos de luz serão usados. Também haverá um mapa para cenas diferentes, roteiros de luz e som de acordo com a marcação do narrador em determinados momentos do espetáculo.

No mapa de luz poderemos anotar de forma geral, o que precisaremos ao longo do espetáculo, sem citar que luz entrará em que momento, apenas para que o técnico de luz prepare e providencie as necessidades do evento. Já no roteiro de luz, explicaremos cena a cena, com marcações nas falas, ou sonoplastia (deixas de texto, ou sonoras) quando cada luz entra e saí e de que forma.

Mapa de Luz – Espetáculo “Deuses” de Ederson Miranda

No mapa de som iremos elencar todo o equipamento necessário e o que irá sobre o palco, assinalando a localização exata de cada um. Assim como na iluminação, um roteiro de som mostrará em que momento cada recurso entrará com as deixas necessárias.

Mapa de som – Alessandro Penezzi

Os mapas fazem parte de uma contação mais elaborada, em que haja tanto a disponibilidade de recursos, a necessidade de usá-los,bem como profissionais disponíveis: técnicos de luz e som; operador de luz e som; contrarregra; produtor artístico, entre outros.

Adaptar os mapas às necessidades de cada contação, espaços e estio do contador fará com que os desenhos sejam mais simples e, na maioria dos casos, sem a necessidade de outros profissionais.


Ao final da aula, mais informações para a criação do plano de uma contação de história. Os detalhes, tais como texto, formato e como enviar para sua avaliação final estarão na “rota de aprendizagem” .(os exercícios, plano de aula e vídeos são exclusivos para alunos do curso.)


O Artigo acima faz parte integral do “Curso de Contação de Histórias” da Cia ArtePalco. Não pode ser reproduzido, copiado, ou utilizado sem prévia autorização.

INSCREVA-SE: Se deseja participar do curso, inscreva-se em aqui.